fbpx

Blog

grafico-colorido-diferente-com-formas-de-piramide-contra-fundo-rosa_23-2147892259

Big Data: a revolução dos dados

Informação é a base de tudo que fazemos

Mas, por muitos séculos, a informação era escassa e de difícil acesso. Estar bem informado dependia da classe social, do acesso à educação e das ferramentas de comunicação: as clássicas cartas, jornais, comunicados oficiais e livros eram as poucas formas de se comunicar e adquirir informação.

Dados são informação pura!

Chegamos, então, às transformações digitais. A democratização da informação fez com que todos com acesso à internet e dispositivos digitais pudessem produzir dados e ter acesso à eles. Além de informações básicas da vida em geral, tornamos todas as ações digitais em dados, desde as redes sociais, o que consumimos, até nossa localização.

Essa quantidade massiva de dados se tornou ouro para as empresas. Saber especificamente o comportamento, gostos, localidades e as informações mais variadas sobre um grupo de pessoas é a garantia de estar um passo à frente em todas as suas ações.

Chegamos então ao fenômeno Big Data, ou seja, o caminho para inovação, gestão, competitividade e conhecimento.

Mas o que é Big Data? 

Dos diversos conceitos apresentados por estudiosos, podemos resumir Big Data como um conjunto gigantesco de dados disponíveis via rede. É informação pura e variada em quantidade massiva.

Imagine que cada ação sua digitalmente produz dados. Um clique, um like, uma pesquisa no Google, o acesso no Google Maps, o check-in no Facebook, a hashtag no Instagram, as compras on-line, as músicas que escuta no Spotify, filmes que maratona na Netflix e e-mails que envia no trabalho, exatamente tudo que você faz vira dado. Então, imagine a quantidade de dados que existem, só a espera de serem utilizados.

A quantidade é tão enorme que geralmente esses dados não podem ser acessados, armazenados, gerenciados e analisados de forma convencional, por meio de base de dados ou na memória do computador, é necessário profissionais especializados, além de tecnologias e algoritmos designadas especificamente para processá-los.

Dessa forma, além do quesito quantidade, o big data é também inovação no uso dos dados, a partir de um conjunto de técnicas e tecnologias aprimoradas para manipulação e processo de dados.

Os 5 V’s 

VOLUME
Quantidade de dados
1
VELOCIDADE
Instantaneidade na criação e propagação dos dados
2
VARIEDADE
Diversidade de dados
3
VERACIDADE
Credibilidade e confiabilidade dos dados
4
VALOR
Importância dos dados no ramo da pesquisa e no mercado
5

Os benefícios  

O big data tornou-se o caminho mais eficaz para adquirir valor a marca e aprimorar as atividades como empresa. Isso acontece porque com o acesso e análise de dados é possível entender o impacto da marca e o comportamento dos consumidores, assim, atos como planejar e guiar o negócio para novos caminhos, estar a frente no mercado e medir performances da marca podem ser mais precisos.

Um exemplo básico é que por meio da análise e cruzamento de diferentes dados é possível estabelecer um padrão de comportamento e gostos dos consumidores que transitam em um raio de tantos quilômetros ao redor de um estabelecimento.

Outro exemplo pode valer para decisões dentro da empresa e de ações no mercado. Com dúvida de dar o próximo passo? É possível analisar as empresas concorrentes em relação a ação que planeja tomar, dessa maneira, você consegue avaliar qual o melhor caminho a seguir no mercado, para se destacar e investir em ações certeiras.

Como sociedade, o big data também possui grande importância, pois permite analisarmos grandes problemas sociais e pesquisarmos soluções para resolvê-los, como questões de saúde, sistemas políticos, erradicação da fome, controle de desastres naturais, prevenção de crimes, mobilidade urbana, estatísticas sócio-econômicas, pesquisas espaciais, acesso a educação, entre vários outros.  

Polêmicas  

Como todos os processos que surgiram com a tecnologia, existem formas positivas e negativas de utilizá-los. Por isso, questões éticas e humanas são importantes para delimitarmos as fronteiras entre o que é correto ou não. Infelizmente, a inovação é tão rápida, que os fatores legais, éticos e morais não conseguem acompanhá-los na mesma velocidade, o que abre espaço para o uso indevido, como acontece com o big data.

À vista disso, o acesso aos dados gerais da população geram diversas polêmicas e questionamentos sobre ética e privacidade. Até que ponto podemos ter acesso aos dados de um indivíduo sem ser invasão de privacidade? A venda dos nossos dados sem nosso conhecimento ou autorização é antiético? E como e para o que utilizamos os dados também deve ser avaliado? Manipular a população e induzi-la a certas ações com base em dados é correto?

Prova do ENEM de 2018 abordou a temática de forma reflexiva como tema da redação. 

As dúvidas surgem principalmente em relação a estratégias de marketing no âmbito do consumo e da política. Com diversas análises sobre influência em épocas eleitorais e incentivo ao consumo desmedido. Além de questionamentos sobre a homogeneização de comportamentos, a criação de bolhas sociais, o aumento de fronteiras sociais e a propagação de fake news.

Por isso, como empresa, é preciso sempre refletir sobre as atitudes tomadas. Investir em big data é essencial para avançar como marca, mas sempre de forma consciente. Além de negócios, hoje o mundo exige marcas que tenham responsabilidade social, portanto, que reflitam sobre as consequências e influências de suas ações.

As ferramentas 

Qual a melhor ferramenta para sua empresa?

Descubra mais neste texto do site Transformação Digital

Compartilhe

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email