Clubinho da Inspiração #1: test drive de indicações

Bem-vindos ao Clubinho da Inspiração!

Mensalmente, reuniremos algumas das principais indicações de conteúdos que devem justamente inspirar: reflexão, criatividade, sabedoria, emoção e críticas. 

Para o mês de junho, em versão piloto, tivemos a primeira tentativa, com conteúdos livres e apenas uma condição: que fossem mais curtos, possíveis de consumir dentro do tempo estipulado (duas semanas).

Todo mês, cada participante indica um conteúdo de forma secreta. As indicações são sorteadas entre o grande grupo (tipo amigo secreto). Cada um fica responsável de consumir o conteúdo que sortear dentro do prazo combinado. 

No dia da reunião do clubinho, além de muita comilança, todos apresentam seus conteúdos, com o objetivo de uma reflexão coletiva e, claro, para tentarmos adivinhar quem o indicou em primeiro lugar. 

1 – Seja criativo;

2- Qualquer produção vale como indicação (não se prenda apenas ao óbvio);

3- Produções que incentivem preconceitos e cultura de ódio estão VETADAS;

4- Tente diversificar e apresentar produções de pouco reconhecimento ou desenvolvidas por minorias sociais;

5- Seja crítico com aquilo que consome (nada de passar pano);

6- No dia da reunião, sempre que possível, traga ceva, comes e boa conversa consigo;

7- Engaje nas conversas dos outros conteúdos que não foram indicados ou sorteados por ti;

8- Venha de mente aberta, sempre!

No momento, os integrantes do clubinho fazem parte da equipe da agência, mas quem sabe, no futuro, você também possa fazer parte. Caso tenha interesse, estamos de portas abertas (nos contate!). 

Agora, as feras indicadoras:

Júlio #boss, Amanda #jornalista (social media e redatora), Daiane #designer (head de criação), Joel #criação e Alan #comercial (ainda criaremos apelidos mais criativos). 

Percebemos que, no mundo de hoje, podemos aprender em espaços que vão muito além de cursos e conteúdos educacionais. 

Ainda mais na era de produção de conteúdo, na qual podemos encontrar e explorar algo interessante e criativo, em grandíssima quantidade, nos mais diversos formatos. 

Pensando nisso, e mergulhados no sentimento de que muitas vezes ficamos perdidos com a quantidade enorme de opções de consumo (todos sabemos o que é demorar horas para escolher algo na Netflix), resolvemos criar uma forma de “trocar” conteúdos. 

Assim, o objetivo é guiar um ao outro em meio à imensidão de produções. Além de aumentar o repertório (algo muito importante quando se trabalha com criatividade) e gerar reflexões mais profundas sobre assuntos que muitas vezes ignoramos.  

documentário

Jiro Dreams of Sushi

plataforma: netflix
2011| 1h 19min

SOBRE

Qual o legado de um profissional que é declarado tesouro nacional?

No caso de Jiro Ono, seus legados são múltiplos e o levaram a ser um dos mestres e sushi chefs mais conhecidos mundialmente. Dono de um pequeno sushi bar, que carrega consigo 3 estrelas Michelin (foi o primeiro no ramo do sushi a ter esse feito) e tem reservas lotadas por meses, ele revolucionou o que entendemos como eficiência e trabalho.

Seu espaço está localizado em uma pequenina parte da estação de metrô em Tóquio, mas é mundialmente reconhecido dentre os amantes da alta gastronomia. Seu cardápio varia conforme a disponibilidade de pescados no dia, pois caso a qualidade dos ingredientes não esteja boa, o chef não os prepara nesse dia.

Ou seja, na tenra idade de 93 anos, ele continua na ativa, como um símbolo de perseverança e de eterna busca pela perfeição. Como ele mesmo descreve, deseja chegar ao topo, mas não sabe como ele é. E para isso não é necessário nenhum luxo, muito pelo contrário, como demonstra Jiro ao ir diariamente ao trabalho de trem. O segredo está em outra grande mensagem que ele destaca: “você deve se apaixonar pelo seu trabalho”.

Tendo o trabalho como base e os princípios da cultura japonesa como alicerce (disciplina, hierarquia e controle das emoções), a vida de Jiro e de seu negócio são relatados neste documentário, cujo objetivo é destacar pontos de aprendizagem da história, como: resiliência, evolução contínua, aprender a dizer não, menos pode ser mais, controle de qualidade, confiança nas parcerias, gestão do conhecimento e inovação.

produção jornalística

Guns in America​

produção: revista time
2018

SOBRE

Um projeto multimídia que demonstra como uma capa de revista pode ir muito além. 

Na edição de novembro de 2018, a clássica revista americana TIME abordou um tema bastante polêmico no país: o porte de armas. Com o título Guns In America (Armas na América), o projeto engloba diferentes falas com o intuito de trazer pluralidade a uma temática que geralmente se vê presa ao dualismo extremo. 

Neste processo, foram entrevistadas 245 pessoas de três estados americanos – Dallas, St. Louis e Washington D.C. – todas com histórias que apresentam diferentes relações e perspectivas sobre armamento. 

Para ilustrar isso de forma atrativa e revolucionária, a revista teve como parceiro o fotógrafo francês JR, além de um time especial de profissionais. 

Em um grande mural on-line e ilustrado, é possível interagir com as imagens, que se movimentam e trazem de forma individual parte do depoimento de cada entrevistado; basta clicar na imagem da pessoa e dar o play. 

Produção que gerou no grande grupo uma reflexão sobre seus aspectos artísticos e sociais.  Com destaque para fatores como: humanização, diversidade de cenários, ilustração de conteúdos complexos, credibilidade e produção de conteúdo digital.

documentário biográfico

Michael Jackson: A vida de um ícone

plataforma: Netflix
2011 | 2h 35min

SOBRE

Um documentário que relembra a vida de um dos grandes ídolos da cultura pop, com destaque para a construção de sua marca. 

Em geral, a produção acompanha a vida de Michael Jackson de forma cronológica, com a forte participação de entrevistados e imagens de arquivo. Infelizmente, o roteiro peca em alguns momentos ao açucarar a realidade do artista, além de apelar para técnicas do documentário televisivo (como trilhas pesadas), o que nem sempre é bem-vindo no mundo das produções documentárias.

Críticas a parte, a grande ênfase vai ao conceito de marca produzido com perfeccionismo pelo próprio Michael, cuja excelência sempre foi um objetivo. Sua ideia era criar itens que fossem diretamente atrelados a ele, como a jaqueta e a luva única. Um conceito que encontramos no marketing e na construção de marca, neste caso, personal brand (marca pessoal). 

A partir do filme, também foi inevitável o questionamento entre o grande grupo sobre o legado cultural versus acusações de assédio e pedofilia (tornadas públicas de forma crua no documentário Deixando Neverland). Em uma era pós me too, muitos profissionais tiveram seus trabalhos esquecidos devido aos casos de abuso. Neste caso, provavelmente o mais difícil deles, nos encontramos em frente a uma parede, sem saber como lidar com o embate entre histórico pessoal e profissional de Michael Jackson. 

Uma dúvida cruel, que leva muitos daqueles que apreciam sua arte ao desconforto toda vez que escutam sua música. Quando falamos em dúvida, não nos referimos ao fato dele ter cometido ou não os atos – pois a palavra da vítima sempre será a mais válida – mas sim, nos referimos ao questionamento de ainda validar a produção musical e profissional de Michael, mesmo com as atrocidades cometidas por ele como pessoa. 

podcast

O negócio da nostalgia​

produção: braincast
2019 | 1h 27min

SOBRE

Qual o efeito da nostalgia? Neste podcast da Braincast, eles buscam entender esse fenômeno que molda um mercado e busca persuadir o emocional do público.

Primeiramente, a mesa redonda composta por Carlos Merigo, Marko Mello, Ana Freitas e Luiz Yassuda, busca entender o conceito de nostalgia, um sentimento saudosista que romantiza experiências passadas e ressignifica sentimentos. Um bucolismo que, em momentos de realidades conturbadas, cresce e torna-se um nicho favorável na indústria cultural.

Pense em uma música que marcou momentos da sua infância ou uma moda que fez parte de sua adolescência. Na vida adulta, reconectar-se com esses itens é ser automaticamente transportado para uma sensação positiva, uma visão do que parecia uma época mais simples e única.

Como exemplo, o grupo cita produções como novelas (Verão 90), séries (Stranger Things), filmes (remakes), música (Raça Negra) e produtos (Coca-Cola). Em cada caso, há uma ressignificação do produto – ele já não é visto e consumido da mesma forma de quando foi vivenciado – isso ocorre não somente por questões psicológicas, mas também, pela narrativa publicitária trabalhada pelo mercado.

Além disso, eles abordam efeitos antropológicos, como o ciclo dos 20 anos: quando uma geração enxerga a última década com desdém, todavia, a penúltima com romancismo; ou a relação entre a visão pessimista de futuro, que hoje é sempre distópico, e uma visão otimista de passado.

vídeo

Mauricio Meirelles: review filmes adultos

plataforma: youtube
2019 | 2 vídeos | 36min

SOBRE

(+18) A cultura dos filmes adultos também pode ser analisada com profundidade como o restante das produções cinematográficas?

Há quem duvide, mas os comediantes Maurício Meirelles e seu convidado Rafinha Bastos comprovam que sim é possível desenvolver uma resenha sobre o audiovisual pornográfico, mas de forma irônica e com muito humor.

Parodiando os moldes de famosos programas que desenvolvem resenhas e críticas de filmes, eles desenvolvem um vídeo que escracha os clichês de diferentes setores culturais, tudo isso na base do improviso.

O jogo de metalinguagens e referências tornam os vídeos ainda mais engraçados e brincam com a realidade do espectador. Até porque no quesito avaliação cinematográfica tudo torna-se importante, desde a atuação das atrizes até enredo e cenografia (que diga a tomada má posiciona em algumas das cenas).

Neste conteúdo mais leve, mas cheio de criatividade, o ideal é abrir a mente e buscar as diferentes referências que vão surgindo ao longo do vídeo.

Agora, qual indicação você mais gostou? Qual vai consumir primeiro? Curioso para o próximo Clubinho?

Fique de olho, pois no próximo mês mais inspirações virão por aí. Por enquanto, fique com outros conteúdos que já foram indicados em nosso blog:

Cineminha para o finde!

Confira as "14 produções audiovisuais para conhecer mais sobre comunicação, criatividade e marketing".

Conteúdos produzidos por mulheres!

Confira mais em "ESPECIAL DIA INTERNACIONAL DA MULHER: Coleção de Conteúdos"

Inspiração para períodos curtos!

Confira mais em "Uma hora e meia de inspiração, reflexão e criatividade com TED"