Inovar e renovar como marca

 Com novas gerações de consumidores surgindo, o comportamento de consumo e relacionamento marca-cliente se redefinem. É cada vez mais necessário desenvolver uma relação de intimidade e, sucessivamente, despertar um maior comprometimento do usuário com o negócio que você coordena. Torna-se também fundamental renovar-se constantemente, acompanhando sempre o fluxo de novidades e novas experiências que as pessoas vivenciam. Ainda melhor, é tentar estar à frente deste fluxo e ser um produtor de tendências e real agente de inovação.

 Com isso em mente, o primeiro passo é analisar se seu negócio acompanha as diversas mudanças diárias, tanto do mercado quanto do público. Caso a resposta seja não, algumas mudanças são necessárias. Algo no desenvolvimento de imagem, de conceito, de comunicação ou de publicidade está impreciso. Ou talvez, seja preciso reavaliar alguns pontos que podem estar ultrapassados e não funcionam mais para a realidade de consumo atual. Resumindo, deve ser feito uma grande reavaliação de marketing e, caso necessário, um rebranding.

O que é  Rebranding?

“Rebranding é uma estratégia de marketing, no qual uma organização decide alterar a sua denominação, ou o seu logotipo, ou o seu design, ou outros elementos identificativos, para formar uma nova identidade”.

Muzellec e Lambkin, 2006

 O segundo passo para inovar exige planejamento e muita pesquisa, pois mesmo o ato de criatividade precisa de um embasamento teórico. É preciso estudar e entender os valores e características da empresa, levando isso em conta na hora de criar novos paradigmas e desenvolver novas linhas de raciocínio.  

 Para isso, é necessário estudar os comportamentos da sociedade. Por exemplo, você sabia que 66% dos brasileiros admitem que não comprarão caso a marca não possua um comprometimento social? Esse dado divulgado pela pesquisa Earned Brand 2016, realizada pela Edelman, aponta um movimento atual de transformação dos princípios do público. É uma nova visão sobre negócios e como eles devem se portar. Novas visões, como está, surgem a cada momento, e novos movimentos de consumo se constituem a partir disso.

 Em vista disso, pense sempre no cliente. O alvo final. A pessoa que movimenta e dá significado ao seu trabalho. Tente prever o que esse consumidor pensa, o que ele deseja e quais são seus anseios. Lembre-se também da tão rara empatia, ela pode lhe auxiliar, e muito, na hora de inovar, pois não há nada mais efetivo do que se colocar no lugar do seu cliente.

 Depois, deve-se ponderar que o ato de inovar parte do pressuposto de erros e acertos. Mesmo com planejamento e pesquisas, nunca se pode previr o engajamento que haverá, até porque novos significados são atribuídos às coisas a todo momento. Mesmo porque o público, a cada dia, passa por novas influências e altera o seu pensamento. Não entre em pânico caso alguma tentativa dê errado, errar faz parte do aprendizado e sempre ajudará a definir o caminho correto.

 Por último, dê uma olhadinha na concorrência e diferencie-se. Descubra o que é unicamente seu e somente. Destaque-se pelo o que você tem a oferecer de inovador.